"MY ASIAN MOVIES"マイアジアンムービース - UM BLOGUE MADEIRENSE DEDICADO AO CINEMA ASIÁTICO E AFINS!!!

quarta-feira, novembro 01, 2006

Escaflowne, o filme/Escaflowne Aka A Girl in Gaea/Tsubasa No Kami (2000)
Origem: Japão
Duração: 93 minutos
Realizador: Kazuki Akane
Vozes das Personagens: Maaya Sakamoto (Hitomi), Tomokazu Seki (Van), Jôji Nakata (Lord Folken), Mayumi Iizuka (Yukaki/Sora), Minami Takayama (Dilandau), Kôji Tsujitani (Jajuka), Sinichirô Miki (Allen), Ikue Ootani (Merle)

"Escaflowne, a armadura do Dragão Branco"
Estória
Em Gaia, um grupo de soldados do exército do clã do Dragão transporta num dirigível a lendária "Escaflowne", a armadura do Dragão Branco, tendo em vista entregá-la ao seu maléfico líder "Lord Folken". Uma viagem que aparentava ser calma, torna-se num banho de sangue quando um jovem semi-nu, armado com uma "Katana", ataca a nave e extermina todos os militares. O rapaz não é nada mais nada menos que "Van", o irmão renegado de "Lord Folken" e o herdeiro destronado do reino do Dragão.
Entretanto no planeta Terra, a estudante solitária "Hitomi" tem mais um dia envolto em depressão. Encontra-se desiludida com a vida e inclusive escreve uma nota de suicídio que é descoberta pela sua melhor amiga. "Hitomi" só deseja desaparecer da Terra...desejo que lhe é concedido. Não se pense que "Hitomi" morre. Antes é transportada para Gaia, através de um encontro que mantém com um estranho ser encapuçado.
"Hitomi" chega a Gaia dentro de "Escaflowne", a armadura que "Van" tão ansiosamente deseja obter. Depois de conseguir-se libertar-se de "Escaflowne", "Hitomi" conhece "Van", que a proclama a "Deusa Alada", devido a uma profecia existente em Gaia acerca de uma desconhecida que chega da "Lua Mística" (que corresponde ao planeta Terra).
Devido ao seu recém adquirido estatuto, "Hitomi" depressa é envolvida na guerra existente entre o exército do Dragão Negro e os "Abaharaki", um grupo constituído por sobreviventes dos reinos destruídos por "Lord Folken".

"Hitomi e Van"
"Review"
A "Salvat" lançou recentemente uma colecção de "Animes" que tenho vindo a acompanhar e a adquirir os filmes que não possuo na minha colecção privada. Tem sido uma compra "às cegas" que por vezes tem valido a pena, e noutras nem por isso. Adquiri até agora "Blood, o Último Vampiro", "Ghost in the Shell" que já tinha visto, mas que incrivelmente não possuia o dvd (crítica para breve) e este "Escaflowne". A iniciativa da "Salvat" saúda-se, mas devia de ser acompanhada de outras idênticas, em relação a outros géneros de filmes. No entanto compreende-se, atendendo ao crescente número de admiradores que a animação japonesa possui no nosso país, existindo até sites e sobretudo "blogs" da especialidade. Afinal quando se fala numa empresa, o primeiro critério a ter em conta é o retorno financeiro das iniciativas comerciais.
Perdoem-me a pequena consideração pessoal e passemos então à análise sumária do filme.
"Escaflowne" é baseado numa série de animação muito popular no Japão, que confesso nunca vi e penso seriamente que nunca passou em nenhum canal português ou da tv cabo. No entanto posso estar enganado e se for o caso, agradeço as devidas correcções.
Falando da animação em primeiro lugar, "Escaflowne" não foge à generalidade dos seus congéneres, ou seja, nota bastante positiva. O realizador tem um especial cuidado nos detalhes, desde o movimentar dos cabelos causado pelo vento provocado pela lâmina que falhou o alvo, passando por coisas tão simples como a chuva a cair e a fazer levantar o vapor do chão. De facto, é mais uma prova que a animação japonesa encontra-se sem sombra de dúvida, na vanguarda mundial, mas daí "what´s new?".
A banda-sonora tem os seus altos e baixos, exaltando-se a música "Dance of Curse", que segundo "Van", era a melodia que a mãe lhe costumava cantar para o adormecer em criança. No entanto, desgostei de outras que achei sinceramente desenquadradas do pendor heróico e guerreiro que o filme tenta transmitir.
O argumento sinceramente não tem nada de especial, com a excepção, e sinto-me na obrigação de destacar este ponto, da caracterização e desenvolvimento dado às personagens principais. É raro vermos dois heróis de um filme, possuírem uma aura tão negativa e depressiva. Como já foi referido, "Hitomi" é uma rapariga desiludida com a vida, cujos pensamentos passam pelo suicídio. Devido a um acaso do destino, vê-se na contingência de fazer algo muito positivo, e o que poderá ser melhor do que salvar um mundo inteiro da destruição. Mas o papel de "Hitomi" não se fica por aqui. Sendo uma pessoa naturalmente depressiva e solitária, fica com o fardo de auxiliar o outro herói da estória, que possui uma personalidade muito semelhante à sua e que igualmente julga lutar só contra os seus inimigos, quando possui imensos aliados. "Hitomi" tem a grande missão de salvar "Van" de si próprio!
A acção não é uma constante em toda a película, havendo espaço para momentos mais pausados. No entanto, quando surge, respeita a tradição do sangue a jorros e da violência, embora não extremamente desmedida.
A principal falha argumentativa passa pelo pouco destaque que é dado aos restantes personagens do filme, o que para uma pessoa como eu que não acompanhou a série, torna-se ainda mais frustrante. A título exemplificativo, gostaria de ver a personagem de "Dryden" mais desenvolvida.
Em jeito de conclusão, afirmo que "Escaflowne" constitui uma proposta bastante interessante no seu segmento, mas está longe de deslumbrar.
"O líder dos Dragões Negros, Lord Folken"
Outras críticas em português: AnimeHaus
Avaliação:
Entretenimento - 7
Animação - 8
Argumento - 7
Banda-sonora - 7
Emotividade - 8
Mérito Artístico - 7
Gosto Pessoal do "M.A.M." - 7

Classificação Final: 7,29


"A Despedida..."



2 comentários:

algelic disse...

O filme de Escaflowne é, na minha opinião, muito mau e bastante diferente da série de TV. A série de TV é mesmo muito boa, tendo o soundtrack sido composto por Yoko Kanno.

Shinobi disse...

Pessoalmente não achei Escaflowne um filme muito mau, embora sinceramente também não seja nada de especial. Acredito que a série seja muito melhor, embora como já veiculei na crítica, não a tinha visto.

Cumprimentos e obrigado pela observação!