"MY ASIAN MOVIES"マイアジアンムービース - UM BLOGUE MADEIRENSE DEDICADO AO CINEMA ASIÁTICO E AFINS!!!

sexta-feira, março 21, 2008

Volcano High - Escola de Combate/Volcano High/Hwasango -
화산고 (2001)

Origem: Coreia do Sul

Duração: 117 minutos

Realizador: Kim Tae-gyoon

Com: Jang-hyuk, Sin Min-ha, Heo Joon-ho, Byeon Hee-bong, Kim Soo-ro, Kwon Sang-woo, Kong Hyo-jin, Jeong Sang-hoon, Kim Hyeong-jong, Yoon Moon-sik, Jo Seong-ha, Park Dong-bin, Seo Beom-sik, Jeong Won-joong, Kim Il-woo, Jo Sang-geon, Parg Geon-tae, Kim-hyuk, Eom Soo-jeong, Do Yong-goo, Kim Eung-soo

"Kim Kyung-soo"

Estória

“Volcano High” é um liceu onde todos os alunos parecem possuir poderes paranormais relacionados com as artes marciais, para além de procurarem insistentemente pela supremacia do seu clube de prática desportiva, perante os demais. Nesta escola, corre um rumor que o director possui um manuscrito que faz com que aquele que se atreva a desvendar os seus mistérios, fique com poderes ilimitados. O clube de halterofilismo, liderado pelo louco “Jang Ryang Touro Negro” (Kim Soo-ro), assim como o vil director-adjunto (Byeon Hee-bong), anseiam pela obtenção do documento. Os dois armam uma conspiração, envenenando o director, deixando-o desta forma numa estranha letargia. Igualmente tramam o mais forte aluno da escola, “Song Hak-rim” (Kwon Sang-woo), culpando-o pelo sucedido e fazendo com que o mesmo seja detido. No entanto, os seus planos saem frustrados, pois o mítico pergaminho não é encontrado.

A prisão de “Hak-rim” lança o liceu num caos, com todos os clubes a entrarem numa guerra desenfreada, para ver quem deterá o poder. Aos poucos, “Jang Ryang” começa a ganhar a supremacia e luta pela atenção amorosa da líder do clube de Kendo, “Yo Chae-yi Jade de Gelo” (Sin Min-ha). O problema é que “Ryang” tem um rival à altura em “Kim Kyung-soo” (Jang-hyuk), um estudante recentemente transferido para “Volcano”. “Kyung-soo” não se associa a nenhum clube, e recusa lutar por razões pessoais, embora possua poderes verdadeiramente espantosos.

"Yo Chae-yi, Jade de Gelo"

O espectro do liceu é seriamente abalado, quando o director-adjunto contrata cinco professores possuidores de habilidades paranormais extraordinárias. Os alunos começam a ser verdadeiramente disciplinados através da quantidade de pancada que levam, nos combates que travam com os novos docentes. A revolta começa a crescer em “Kyung-soo”, e este resolve intervir contra a ditadura imposta.

"O clube de halterofilismo, liderado por Jang Ryang, Touro Negro"

"Review"

Quando toca a desafiar a gravidade, poucos filmes se podem comparar com “Volcano High”. Sendo assim mais vale ir directamente ao óbvio e afirmarmos que estamos perante uma película, neste particular, na linha de “The Matrix”, dos irmãos Wachovski, e de “Dark City” de Alex Proyas, embora com características algo próprias.

O filme visa sobretudo entreter. E quanto a este aspecto, quase de certeza que ninguém irá ficar defraudado! Assenta sobretudo nos efeitos especiais, o que até se compreende, pois praticamente todos os protagonistas têm super-poderes. E de facto os efeitos especiais elaborados para “Volcano High” são de uma grandiosidade imensa e que nos arregala os olhos até doer! Combates fenomenais, não no sentido das artes marciais propriamente ditas, mas sim na espectacularidade dos voos em câmara lenta, nos saltos sobre-humanos, no domínio da energia de forma a canalizá-la contra o oponente, etc, etc, etc. Já estão a “ver o filme”. Tudo o que se pretende aqui é mostrar uma longa-metragem que fez uma clara aposta no “rebentar as costuras de estilo”, em detrimento de algo com mais substância.

O sentido de enclausuramento que resulta do liceu, também ajuda imenso a que seja criadas condições para uma típica arena de luta, onde todos se digladiam quase incessantemente pelo título de lutador mais forte da escola. Ao mesmo tempo, também constitui um dos aspectos em que o filme se encontra algo incompleto. Passo a explicar. A acção passa-se toda na área do liceu, que supostamente fica numa remota zona rural da Coreia do Sul. Nunca temos a oportunidade de ver ou saber se os alunos vão para casa a seguir às aulas, o que fazem nos seus tempos livres e o demais que é normal em pessoas daquela idade. Tudo se passa, acontece, vive, esmorece, “and so on, so on, so on...” no liceu. E daqui de duas uma. Ou estamos a falar de uma estrutura do género de um colégio interno, o que até acho provável atendendo aos “flashbacks” de “Kyung-soo”, ou então, o argumentista simplesmente marimbou-se para os outros aspectos necessários para que exista alguma empatia com as personagens, no sentido de as querermos conhecer melhor.

"Kyung-soo domina o elemento água"

O factor entretenimento, embora esteja sobretudo solidificado nos combates e nos efeitos especiais, também deixa algum espaço à comédia. O estilo é muito “cartoonizado” ou “cartunizado”, passe a expressão. Muita careta estúpida e estranha, movimentos súbitos, conversas sem nexo nenhum, quedas mirabolantes, galinhas a voar sempre que aparece o director e dedos em “v”. O “nonsense” nem sempre resulta muito bem, mas por vezes consegue arrancar-nos alguns sorrisos.

Os actores têm um desempenho à luz do filme. Preocupam-se muito mais em transmitir grandes poses do que representar. No entanto, sempre se dirá que quando lhes é facultada a oportunidade de respirar e não andar à pancada uns com os outros, acabam por conseguir um desempenho competente. A honra não irá tanto para o actor principal Jang-hyuk, mas sim para Kim Soo-ro, o inflamado “Jang Ryang”, que com os seus lampejos de superioridade e de "língua comprida", consegue uma interpretação meritória. É pena a personagem “Hak-rim”, interpretada pelo popular actor Kwon Sang-woo, não ter sido alvo de um maior desenvolvimento durante o filme, desaparecendo de cena relativamente cedo. Prometia bastante!

Como curiosidade final, refira-se que “Volcano High” foi alvo de uma adaptação americana para a MTV, onde pontificavam como actores nomes do rap de que constitui exemplo Snoop Doggy Dog, tendo ainda o veterano Pat Morita a dar uma perninha. A “brincadeira” não durou muito e ainda bem, pois com intervenientes destes, aliados às costumeiras atrocidades que se costumam fazer neste tipo de “remakes”, teríamos com certeza um produto de 1ª linha, a nível de palhaçada e mau gosto! Não vi, nem estou minimamente interessado em pôr os olhos naquele produto de duvidosa qualidade...

O principal mérito de “Volcano High” será o facto de ter sido o pioneiro na Coreia do Sul, no que concerne aos filmes que usam e abusam de efeitos especiais! Uma boa proposta para uma tarde domingueira, que não nos obrigará a pensar muito, mas sobretudo que elevará os índices de entretenimento para outros patamares! E este aspecto também merece um lugar de destaque no que toca à sétima arte, pois o cinema também visa, entre uma panóplia de objectivos, divertir!

"Kyung-soo luta com um professor"

Trailer, The Internet Movie Database (IMDb) link

Outras críticas em português: Cinedie Asia, Quando a barata voa, A Vida

Avaliação:

Entretenimento - 9

Interpretação - 7

Argumento - 7

Banda-sonora - 7

Guarda-roupa e adereços - 8

Emotividade - 8

Mérito artístico - 9

Gosto pessoal do "M.A.M." - 7

Classificação final: 7,75







2 comentários:

Nuno disse...

Desconhecia por completo este filme, mas gosto quando dás 9 ao entretenimento, e pela análise que fizeste não me parece nada mal para a tal tarde de domingo. Um filme a seguir com atenção.

Excusado será dizer que é mais uma excelente análise ...

Parabéns e um Abraço

Shinobi disse...

Caro amigo Nuno,

no que toca a entreter o pessoal, "Volcano High" não deixa os seus créditos por mãos alheias!
Julgo que irás divertir-te com o filme, não apenas pelos seus efeitos especiais verdadeiramente fenomenais, mas igualmente por algum "nonsense" com alguma piada!

Não estejas é à espera de uma obra-prima!

Grande abraço e mais uma vez obrigado pelo elogio ao texto!