"MY ASIAN MOVIES"マイアジアンムービース - UM BLOGUE MADEIRENSE DEDICADO AO CINEMA ASIÁTICO E AFINS!!!

segunda-feira, outubro 01, 2007

Bangkok Dangerous - Vingança Silenciosa/Bangkok Dangerous/Bangkok Dangerous - เพชฆาตเงียบ อันตราย (1999)

Origem: Tailândia

Duração: 101 minutos

Realizadores: Irmãos Pang (Danny e Oxide Pang)

Com: Pawalit Mongkolpisit, Premsinee Ratanasopha, Patharawarin Timkul, Pisek Intrakanchit, Korkiate Limpapat, Piya Boonnak

"Kong, o assassino surdo"

Estória

“Kong” (Pawalit Mongkolpisit) é um assassino surdo, que perdeu a sua audição em criança, tendo por esse motivo se tornado num homem bastante revoltado. “Aom” (Patharawarin Timkul), a gerente de um bar de “strip”, é que serve de intermediário entre “Kong” e um chefe mafioso, dando-lhe as instruções acerca dos alvos a abater.

“Kong” nutre uma grande amizade por “Aom” e o seu amante “Jo” (Pisek Intrakanchit), pois foram eles que se aperceberam da capacidade de “Kong” no manejo das armas, fazendo com que o mesmo se sentisse útil na vida. “Jo” treinou “Kong”, aperfeiçoando a sua técnica de tiro e de combate corpo a corpo, tornando-o num assassino extremamente competente.

"Fon, a tentativa de redenção de Kong"

Certo dia, após um “trabalho” em Hong Kong, “Kong” adoece e dirige-se a uma farmácia, onde conhece “Fon” (Premsinee Ratanasopha). A simpatia e a amabilidade da rapariga conquistam-no, e ambos começam a sair juntos, encetando um relacionamento. “Kong” apaixona-se de tal forma que começa inclusive a questionar-se acerca do seu modo de vida, pensando seriamente em mudar o mesmo.

Quando “Jo” mata um dos braços-direitos do chefe mafioso devido à violação de “Aom”, e aquele por sua vez assassina “Jo” e “Aom”, “Kong” interrompe a sua viagem para uma vida honesta, e embarca numa cruzada muda para a vingança. Uma “vingança silenciosa”.

"Aom"

"Review"

“Bangkok Dangerous” constituiu a estreia na realização dos irmãos gémeos verdadeiros Pang (como um conjunto, pois Oxide Pang já havia dirigido em 1997 a película “Who Is Running?”), uma colaboração familiar que se tornaria sobejamente conhecida devido sobretudo a filmes como “Re-cycle” ou “The Eye”, granjeando uma legião fiel de seguidores. O filme teve um certo reconhecimento internacional, comprovado pelo “International Critics Film Award” (FIPRESCI), atribuído no Festival Internacional de Cinema de Toronto, Canadá.

Quem está familiarizado com o cinema de acção de Hong Kong, a premissa que serve de base a “Bangkok Dangerous” não será propriamente uma novidade de estarrecer. Para quem viu o “The Killer” de John Woo, esta afirmação ainda fará mais sentido. Um assassino implacável, o típico “hitman”, depara-se com uma possibilidade de redenção, que no caso em concreto é uma rapariga singela, e questiona verdadeiramente o seu modo de vida. O conflito é tão grande, que o criminoso parece (digo “parece” porque no filme isso por vezes não é tão líquido assim) decidir abandonar o seu ilícito modo de vida, tendo em vista pugnar pelo que é certo face ao socialmente estabelecido como correcto. Quando se está a falar em tirar vidas humanas, acho que isto em princípio não oferece discussão!

Como qualquer filme do género, que absolutamente não se pode desligar da veia trágica habitual (isto é um elogio, acreditem!), acontece um evento que impossibilita o nosso anti-herói de entrar no bom caminho. A coisa em princípio não vai acabar bem, e na realidade finda ainda pior! “Bangkok Dangerous” resume-se pois a três ou quatro ideias capitais, a saber, um modo de vida ilícito e decadente, uma possibilidade de salvação face a esse mesmo modo de vida, a impossibilidade de tal acontecer, e por fim a vingança violenta que deita tudo a perder, e que não deixa sobreviventes, quer seja do ponto de vista físico, quer sentimental.

É um bom filme? Vale a pena perder uma hora e quarenta e um minutos da nossa vida?

"Jo"

A resposta é “Sim, é um bom filme, e sim, com certeza valerá perder esse tempo.”

Em “Bangkok Dangerous”, os irmãos Pang dão completamente a perceber que poderiam tornar-se num fenómeno sério do cinema asiático. O estilo de realização é delicioso, com particular incidência nos vários “flashbacks” que nos deparamos ao longo do filme. Cada um constitui uma surpresa agradável para os nossos olhos, com o uso das tonalidades acinzentadas e acastanhadas, transmitindo um ar rudimentar que nos desloca no tempo até às várias fases da vida de “Kong” e nos envolve numa certa tristeza. O efeito é bem conseguido, e acabámos por nutrir uma certa simpatia pelo assassino surdo “Kong” e até compreensão pelo seu “modus vivendi”. As cenas em câmara lenta, a duplicação de imagens, a extrema atenção aos pormenores, a banda - sonora de qualidade e imaginação acima da média, assim como a excelente fotografia dão o toque final. Não será interessante ver o ponto de vista de um assassino que não consegue ouvir, e que na hora da verdade só se apercebe dos gestos e das expressões horrorizadas das vítimas?

Não se pense que o drama toma por completo conta do filme, ou não estivéssemos a falar de um assassino que opera em Banguecoque. Os aspectos sociais negativos da capital tailandesa são, directa ou indirectamente, abordados com alguma premência, embora não exaustivamente. Digamos que servem como um “pano de fundo” bem elaborado, onde nos apercebemos dos meandros da máfia organizada e da prostituição, presente tanto nas ruas como nos designados “go-go bars”. Inevitavelmente, a violência marca a sua presença com bastantes tiroteios e sangue a jorros.

Os irmãos Pang, atingido o estrelato internacional, resolveram reinventar “Bangkok Dangerous”, num novo filme com o mesmo nome, cuja estreia mundial está prevista para o ano de 2008. A película em questão irá contar com, nada mais, nada menos, a super-estrela de Hollywood Nicolas Cage, para além de Charlie Yeung, uma intérprete bem conhecida do cinema de Hong Kong. Considerando que os realizadores são os mesmos que a obra original e o elenco estará dotado de alguns nomes asiáticos, poderemos em abstracto esperar um “remake” que não seja tão mau quanto isso. Pelo contrário, se a directiva principal for a perfeita idiotice em pensar que o público ocidental não consegue apreciar o estilo próprio do cinema asiático, já estou a ver que nada de bom virá daqui. A vingar este preconceito, aliado a uns bons “punhados de dólares”, um “flop” monumental nascerá. É praticamente uma certeza!

“Bangkok Dangerous” é um filme de visionamento bastante aconselhável!


"Redenção?"

Trailer, The Internet Movie Database (IMDb) link

Avaliação:

Entretenimento - 8

Interpretação - 7

Argumento - 8

Banda-sonora - 8

Guarda-roupa e adereços - 7

Emotividade - 9

Mérito artístico - 9

Gosto pessoal do "M.A.M." - 8

Classificação final: 8




2 comentários:

Nuno disse...

Caro Jorge,

Não imaginas as vezes que já tive este filme na mão....compro, não compro, compro...e acabei sempre por não comprar...pelos vistos fiz mal. Vou comprar.

Um abraço,
Nuno

Shinobi disse...

Eu pessoalmente acho que é uma boa compra. Gostei bastante do filme!
Não gastes é balúrdios com o filme, eh, eh, eh!

Um abração!