"MY ASIAN MOVIES"マイアジアンムービース - UM BLOGUE MADEIRENSE DEDICADO AO CINEMA ASIÁTICO E AFINS!!!

terça-feira, novembro 13, 2007

Era Uma Vez na China II/Once Upon a Time in China II/Wong Fei Hung ji yi: Naam yi dong ji keung - 黃飛鴻之二男兒當自強 (1992)

Origem: Hong Kong

Duração: 107 minutos

Realizador: Tsui Hark

Com: Jet Li, Rosamund Kwan, Donnie Yen, Max Mok, David Chiang, Xiong Xin Xin, Zhang Tie Lin, Yen Shi Kwan, Paul Fonoroff, Ho Ka Kui

"Wong Fei Hung"

Estória

“Wong Fei Hung” (Jet Li), acompanhado da sua paixão platónica a “Prima Yee” (Rosamund Kwan), e do seu discípulo “Foon” (Max Mok), dirige-se para a grande cidade de Cantão, tendo em vista participar numa conferência sobre duas vertentes da medicina, a ocidental e a chinesa. Cantão encontra-se em polvorosa, devido à seita do “Lótus Branco”, uma organização que é contra a presença dos estrangeiros na China, e que recorre à violência extrema para impor as suas ideias. O seu chefe é um sacerdote chamado “Kung” (Xiong Xin Xin), que supostamente é invencível.

O congresso de medicina é atacado pelo culto, e “Fei Hung” consegue sair ileso, fazendo amizade com um médico chinês, que não é nada mais nada menos que “Sun Yat Tsen”, o futuro fundador da república chinesa (e seu primeiro presidente) e responsável pela queda do imperador.

"A prima Yee"

“Tsen” anda a ser perseguido pelo regime imperial manchu, aqui personificado pelo comandante “Lan” (Donnie Yen). “Fei Hung” decide mais uma vez pôr cobro à injustiça reinante, e decide ajudar “Tsen” a chegar a Hong Kong, tendo em vista continuar o seu trabalho revolucionário. Pelo caminho, irá confrontar-se tanto com a seita do “Lótus Branco”, assim como terá de por cobro às atrocidades de “Lan”.

"O comandante Lan"

"Review"

Após os eventos ocorridos no primeiro filme, o carismático realizador Tsui Hark e a super-estrela Jet Li continuam uma das mais famosas epopeias de artes marciais a ver a luz do dia. E ao contrário do que sucede muitas vezes, a sequela não se saiu mal, diga-se de passagem. É para muitos considerada a melhor película da série, e diga-se em abono da verdade, não andarão muito longe da realidade, embora se reconheça que exista um ou outro aspecto que o primeiro episódio levará a melhor. O contrário também acontecerá.

Um dos itens que terá de se relevar será certamente o facto de termos um vilão à altura de Jet Li, ou seja, outra grande estrela de Hong Kong, o mítico Donnie Yen. Neste aspecto em particular, Tsui Hark teve a sageza de “emendar a mão” em relação ao primeiro filme. Podemos aqui ver um emocionante duelo protagonizado pelas duas lendas do cinema asiático, e garanto-vos que as expectativas não saem defraudadas. A forma como Donnie Yen transforma uma simples toalha numa arma mortífera, que cria especiais problemas a Jet Li, é praticamente inesquecível. O duelo veria a ser reeditado dez anos mais tarde em “Herói”, a obra-prima de Zhang Yimou. No entanto, seria particularmente injusto do meu ponto de vista não fazer uma especial apologia ao actor Xiong Xin Xin, que representa o maléfico líder da seita do “Lótus Branco”. A luta protagonizada com Jet Li consegue grandes momentos de espectacularidade e de tirar a respiração. É certo que o papel de Xiong Xin Xin acaba por ser um tanto ou quanto reduzido a nível de minutos, mas o combate vale bem o papel do actor. Não chega ao nível evidenciado por Xin Xin em “The Blade”, mas é de aplaudir.

"Wong Fei Hung luta contra o líder da seita Lótus Branco"

Subtraindo os costumeiros embaraços e tensão sentimental entre “Fei Hung” e a “Prima Yee” (aqui mais explorada), o “comic relief” que no primeiro filme estava entregue às personagens “Toucinho” e “Favolas”, interpretados por Kent Cheng e Jacky Cheung, respectivamente, fica nesta longa-metragem a cargo de Max Mok, o actor que dá vida a “Foon”, o discípulo de “Fei Hung”. Max Mok não se sai mal, e consegue a certa altura provocar alguns momentos de boa disposição. No entanto, é minha opinião pessoal que não chega a evidenciar o nível demonstrado por Kent Cheng e Jacky Cheung no episódio anterior, devido ao carisma dos actores em questão. Outro aspecto menos positivo na actuação de Max Mok, passará pela inevitável comparação com Yuen Biao, o actor que interpretava “Foon” em “Era Uma Vez na China”. Tinha referido, aquando da crítica ao primeiro filme, que os fãs de Yuen Biao podiam ficar um pouco desiludidos, pois o actor não demonstrava todas as suas potencialidades que indiscutivelmente possui a nível das artes marciais. Mas quando olhamos para Max Mok, sentimos saudades de Yuen Biao, pois aquele não parece nem de longe, nem de perto um bom “side kick” de Jet Li. Valha-nos, como já acima foi relatado, a presença de Donnie Yen e Xiong Xin Xin, para que as cenas de acção tenham brilho. E de facto possuem bastante!

A vertente nacionalista chinesa continua a marcar a sua presença, pois afinal “Wong Fei Hung” representa acima de tudo a defesa do tradicional modo de vida da nação oriental. No entanto aqui temos uma abordagem distinta da efectuada na primeira película e que passa sobretudo pelos meios como obtemos os resultados que pretendemos. A seita do “Lótus Branco” luta pelo mesmo objectivo de “Fei Hung”, a saber, a emancipação e conservação da cultura chinesa. No entanto, o culto envereda pela violência desmesurada e injustificada, enquanto que o nosso herói tudo faz para impor as suas ideias de uma forma honrada. A tensão floresce, como era de esperar, e “Fei Hung” acaba por ter de partir para o combate com os seus próprios conterrâneos, em ordem a salvaguardar valores que para si são intocáveis. Não será demais relembrar que no primeiro filme havia um conflito com outro mestre de artes marciais, mas tal se justificava pela primazia dos executantes, ou seja, averiguar qual dos dois seria o melhor. Era reconhecido, pelo menos implicitamente, que o principal inimigo eram os ocidentais que pretendiam enriquecer à custa do tráfico de escravos. No entanto, nesta película é mantido o pendor nacionalista, com o abominar do regime manchu e a introdução de uma das personagens mais emblemáticas da história da China moderna. Nada mais, nada menos que Sun Yat Tsen!

Quanto ao remanescente, “Era Uma Vez na China II” mantém muito do que já tinha sido transmitido pelo filme anterior, que resumidamente poderá ser reconduzido à continuação de uma saga que marcaria para sempre o mundo das artes marciais, constituindo um dos melhores trabalhos da carreira de Tsui Hark.

"Luta de titãs:Wong Fei Hung (Jet Li) Vs. Lan (Donnie Yen)"

Trailer, The Internet Movie Database (IMDb) link

Avaliação:

Entretenimento - 9

Interpretação - 7

Argumento - 7

Banda-sonora - 7

Guarda-roupa e adereços - 8

Emotividade - 8

Mérito artístico - 8

Gosto pessoal do "M.A.M." - 7

Classificação final: 7,63







9 comentários:

Rui Caetano disse...

Eu gosto deste tipo de filmes. ESte será talvez mais uma boa sugestão.

Shinobi disse...

Caro Dr. Rui Caetano,

este é sem dúvida uma boa sugestão, mas acredite que existem outras ainda com mais qualidade.

Esteja à vontade para pesquisar no meu pequeno espaço, e perceberá de imediato o que lhe estou a dizer.

Um abraço!

Dewonny disse...

Olá Jorge!
Gosto muito dessa série de filmes com o Jet Li, são 4 se não me engano, mas já faz um tempinho que assisti à todos, gosto muito desse e do primeiro, e nesse 2 além do Li ainda temos o Donnie Yen, que conforme você disse, é um vilão à altura pro protagonista, e claro, não posso esquecer da bela Rosamund Kwan no papel da prima.
Abs!

Shinobi disse...

Olá dewonny!

Tem toda a razão, pois com o Jet Li são 4. Sobram mais dois em que Wong Fei Hung foi interpretado por Vincent Chiu. Os dois primeiros filmes são sem dúvida os melhores.

O Donnie Yen constitui sem dúvida um vilão à altura de Jet Li, e claro, a Rosamund Kwan é uma mulher muito bonita de se ver!

Grande abraço!

Nuno disse...

Caro Jorge,

Mais uma vez, parabéns pela análise. É exactamente aquilo que eu senti quando vi os filmes: entretenimento puro.
Eu quando comprei a cx "Once upon a Time in China" eram 3 filmes, não sabia que existia um 4ª, vou tentar descobri-lo, pode ser que o "dewonny" me ajude se souber o nome.

Um abraço,
Nuno

Shinobi disse...

Olá Nuno!

Eu também tenho essa famigerada edição dos 3 filmes, mas o título é enganador quando se refere à "trilogia Era Uma Vez na China".

Se quisermos ter uma interpretação extensiva da série, a mesma é composta por 6 filmes. No papel de Wong Fei Hung, 4 são com Jet Li e 2com Vincent Chiu.

O 4º julgo que teve a designação em Portugal de "Era Uma Vez na China e na América" (pelo menos no Brasil, assim foi).Tsui Hark aqui é o produtor e o realizador é a também lenda de Hong Kong, Sammo Hung.

Penso que não existe edição portuguesa em dvd, mas posso estar enganado. Lembro-me que em 2001 ou em 2002, passou na RTP 2, numa semana dedicada ao Tsui Hark. Aqui vão links para IMDb e trailer:

http://www.imdb.com/title/tt0120530/

http://www.youtube.com/watch?v=1dWZzfF-7Lk

Quanto a todos os títulos de "Era Uma Vez na China", segue este link do IMDb, em que vais ter de fazer alguma triagem (lembra-te que 4 são com Jet Li e 2 com Vincent Chiu):

http://www.imdb.com/find?s=all&q=once+upon+a+time+in+china

Grande abraço!

Dewonny disse...

Nuno e Jorge!
É isso aí, os 3 primeiros são dirigidos por Tsui Hark, sendo que o primeiro também é conhecido no Brasil como "Guerreiros à Prova de Balas", o 4° é bem como o Jorge disse, é chamado no Brasil de "Era uma Vez na China e na América", filme de 1997 dirigido pelo Sammo Hung e escrito por Tsui Hark, como se vê no link/imdb abaixo:

http://www.imdb.com/title/tt0120530

Abraços!

Shinobi disse...

Certíssimo dewonny!

Grande abraço!

marcos disse...

qual é o nome da musica do começo em que varias pessoas treinam na praia,e o nome do cantor,obrigado.