"MY ASIAN MOVIES"マイアジアンムービース - UM BLOGUE MADEIRENSE DEDICADO AO CINEMA ASIÁTICO E AFINS!!!

quinta-feira, março 27, 2008


A Lenda de Suriyothai/The Legend of Suriyothai/Suriyothai (2001)

Origem: Tailândia

Duração: 137 minutos

Realizador: Chatrichalerm Yukol

Com: M. L. Piyapas Bhirombhakdi, Sarunyu Wongkrachang, Chatchai Plengpanich, Johnny Anfone, Mai Charoenpura, Sinjai Plengpanich, Sorapong Chatree, Ampol Lamppon, Supakorn Kitsuwan, Penpak Sirikul, Thongwiset Wannasa, Saad Peampongsanta, Yani Tramod, Soranut Chatwiboon, Russaya Kerdchai, Pisan Akaraseni, Phimonrat Phisarayabud

"A Rainha Suriyothai prepara-se para a batalha"

Estória

Na Tailândia do Séc. XVI, a jovem princesa “Suriyothai” (Phimonrat Phisarayabud) encontra-se apaixonada pelo valente Lorde “Piren” (Soranut Chatwiboon), sendo no entanto obrigada a casar com o príncipe “Tien”(Sarunyu Wongkrachang), em nome da paz entre os diferentes reinos do Sião. Com o tempo, “Suriyothai” acaba por aprender a gostar de “Tien”, essencialmente devido à sua bondade, e torna-se a sua mais leal conselheira.

Anos mais tarde, o principal reino do Sião, Ayutthaya é governado pelo rei “Chai Raja”, que assumiu o trono em ordem a proteger o território dos invasores birmaneses. O monarca, após a morte da mulher, toma como nova esposa a pérfida “Srisuchadan” (Mai Charoenpura), uma descendente da dinastia deposta dos Uthong. A nova rainha apaixona-se por “Worawongsa” (Johnny Afone), e juntos congeminam o assassinato do rei, em ordem a tomar o trono, o que acaba por acontecer.


"O principe Tien a caminho de ser coroado"

“Suriyothai” (M. L. Piyapas Bhirombhakdi), agora uma mulher experiente, tenta defender a posição do marido, o príncipe “Tien”, e roga ao seu amor de adolescência Lord “Piren” (Chatchai Plengpanich), agora comandante dos exércitos reais, que lute contra “Srisuchadan” e “Worawongsa”. “Piren” é bem sucedido no ataque e os usurpadores são mortos.

O principe “Tien” torna-se no monarca reinante. No entanto, o inimigo fidagal birmanês descobre as lutas de poder de Ayutthaya, e invade o reino, tentando aproveitar-se da instabilidade. O exército do Sião parte para uma grande e decisiva batalha, e Suriyothai acompanha-o dando o exemplo na defesa da nação.


"Os amantes e usurpadores, Worawongsa e Srisudachan"

"Review"

“A Lenda de Suriyothai” constitui mais uma grande produção asiática, constituindo de longe a mais dispendiosa obra do cinema tailandês (falou-se em quase 20 milhões de dólares). E a primeira característica que desde logo marca esta película é que provavelmente deve ser dos filmes mais “reais” e “nobres” que existem. Isto no sentido do denominado “sangue azul”. Estranha à primeira vista esta afirmação, não! Passo a explicar. O filme foi pago na sua exclusividade com fundos pertencentes à Rainha Sirikit da Tailândia, mulher do actual rei Rama IX (a Tailândia é uma monarquia parlamentar à semelhança de, por exemplo, o Reino Unido ou a Espanha). A actriz principal M. L. Piyapas Bhirombhakdi, que representa a princesa Suriyothai na sua fase adulta, é um membro da família real tailandesa, ostentando o título de Mom Luang (daí o M.L. no início do nome da intérprete). O realizador Chatrichalerm Yukol é, ele próprio, um parente afastado da rainha Sikirit. E claro está, o filme visa ser uma biografia de uma das figuras mais emblemáticas da história tailandesa, que é uma princesa e posteriormente rainha.

Consta que foi da própria rainha Sikirit, a ideia da realização deste filme, por entender que as escolas tailandesas já não ensinam pormenorizadamente a história do seu país. Pensou a monarca que o cinema seria uma boa maneira de chegar às mentes e corações da população, e daí surgiu o embrião para que “A Lenda de Suriyothai” visse a luz do dia. O filme impressiona de facto pela sua pujança, e sente-se à primeira vista que houve uma grande necessidade de ostentação. Os milhares de figurantes presentes nas batalhas foram recrutados do exército e marinha tailandesas, para além de dezenas de elefantes pertencentes à monarquia. Muitas das cenas foram filmadas nos sumptuosos palácios pertencentes à realeza daquele país, ricamente ornamentados, com decorações de sonho, que visam sobretudo demonstrar faustosidade. A grandiosidade demonstrada em muitos aspectos do filme, desemboca em algo bastante frequente nos filmes tailandeses, o antagonismo com a Birmânia (actual Myanmar). O filme foca mais uma das fases conflituosas com o país vizinho, reconduzindo-se por vezes a um teor nacionalista e propagandístico. A lição de história também serve para dizer mal do vizinho autocrático. Atente-se à foto do rei “Hongsa”, o monarca dos birmaneses à altura, presente neste texto e digam lá se não parece um demónio sanguinário e calculista!

Esta longa-metragem ganhou uma certa notoriedade, que constituiu motivo suficiente para ter direito ao apadrinhamento do mítico realizador Francis Ford Coppola, que reeditou o filme, reduzindo-o para 137 minutos, quando o original possuía quase 3 horas, tendo inclusive sido realizada uma versão de quase 5 horas!!! O reeditamento efectuado explica bastante uma das principais falhas da película, no sentido de por vezes depararmo-nos com sequências de cenas que não fazem lá muito sentido. A razão estará supostamente nos cortes efectuados, pois em princípio a versão original que contava, como atrás foi dito, com 3 horas, deixaria certamente muitas poucas pontas soltas. Na sequência do interesse do realizador americano, a película mereceu uma estreia nos E.U.A., sob a chancela “Francis Ford Coppola presents”. Esta situação poderia eventualmente dar azo a que os americanos, muitas vezes com a sua mania das grandezas, pensassem que Coppola teria ido “dar uma perninha” à Tailândia, e realizado um filme totalmente oriental. Com certeza que vocês estarão a pensar agora que eu estarei a exagerar e que “presents” não é a mesma coisa que “directed by”. Pois eu lembro-me perfeitamente de uma discussão num fórum do IMDb, acerca do que significava a expressão “Quentin Tarantino presents” constante na versão de Herói de Zhang Yimou, que estreou nos Estados Unidos. Só vos digo que haviam umas poucas de mentes brilhantes que estavam firmemente convencidas que Quentin Tarantino era, efectivamente, o realizador de “Herói”. Abstenho-me, naturalmente, de comentar...


"O invasor Hongsa, o rei da Birmânia"

Sri Suriyothai era uma personagem histórica que absolutamente nunca tinha ouvido falar na vida, até adquirir a película que presentemente se analisa. A sua história é inspiradora e não resisto a contá-la, mesmo tendo a consciência que o que se irá seguir, poderá consubstanciar-se num enorme spoiler!!! Ficam avisados!

Em 1548, quem reinava no Sião era o rei Maha Chakapat. Seis meses apenas tinham decorrido sobre a sua regência, quando os birmaneses invadiram o seu território. O rei Chakapat, como era sua obrigação, conduziu o exército real ao encontro dos invasores, montado no seu elefante de guerra. Às mulheres não era permitido combater. No entanto, a rainha Suriyothai, imbuída pelo amor ao seu marido, disfarçou-se de homem e igualmente partiu no seu próprio elefante. Durante a batalha, o elefante do rei Chakapat tombou devido às imensas feridas, e o monarca esteve em sério risco de ser morto. No entanto, a corajosa Suriyothai interpôs-se entre o marido e as tropas birmanesas, sendo morta e desta forma, salvando a vida do seu marido. Ai, já não se fazem mulheres como antigamente...

A nível argumentativo, esta longa-metragem poderá dividir-se em duas partes. A primeira gira em torno das lutas pelo poder, sendo constituída sobretudo por intrigas palacianas e assassinatos. Denota um certo interesse, principalmente histórico e visual, mas poder-se-á por vezes tornar-se algo monótono e nada ideal para apreciarmos, se estivermos extenuados após um penoso dia de trabalho. Mesmo assim, sempre se dirá que a parte dramática é conseguida, atingindo pontos de elevada qualidade. Quando tudo está assente no que toca às disputas pelo trono, entramos na segunda parte que se reconduzirá à invasão dos birmaneses. E aí sim, lá está presente todo aquele pendor épico que amo e para o qual eu vivo! Batalhas fenomenais, com centenas de figurantes e sangue a jorros. Um realismo admirável, dificilmente atingível por outras obras. Verdade se diga, à parte da impressionante luta corpo a corpo e do uso de artilharia, não há nada que se compare a um exército acompanhado por uma manada de elefantes! O seu avanço pesado, o animal couraçado, o cavaleiro armado com uma lança específica para o efeito...um espectáculo! É por estas e por outras, que uma das minhas personalidades históricas preferidas é Alexandre, o Grande. Quando o mítico imperador invadiu a Índia, teve uma batalha decisiva contra o Rei Porus, na margem do rio Hydaspes, actual Jhelum. Apesar das forças macedónias e aliadas serem numericamente superiores, as forças combinadas dos indianos possuíam nas suas fileiras cerca de 200 elefantes de guerra. A cavalaria macedónia foi praticamente inútil, pois os cavalos assustaram-se perante a visão dos formidáveis animais. Alexandre só viria a ganhar a batalha, com o sacrifício de cerca de 12.000 homens das suas extraordinárias falanges, que rodearam os elefantes e mataram-nos quase todos. Perdoem-me o aparte histórico, não resisti.

Uma nota que nos enobrece nesta película (ou talvez não) será a análise incidental à presença portuguesa no Sião, com vários mercenários nossos conterrâneos a combater do lado dos tailandeses e a serem pagos a peso de ouro. O detalhe histórico é extremamente cuidado, e isso nota-se nas suas armaduras e restante armamento, embora nunca seja explorado no sentido de os vermos a falar a nossa língua-mãe, e até ter uma personagem interventiva.

Já aflorei os cortes de que o filme foi alvo, por força da sua apresentação nos Estados Unidos e cabe agora revelar verdadeiramente qual a sua verdadeira fraqueza. É a própria rainha Suriyothai, o que é triste. Calma, não estou a atacar a actriz que a representa, mas sim o protagonismo de Suriyothai na película. É suposto, pretendendo esta longa-metragem ter um cunho biográfico (embora naturalmente romanceado), que a trama se centrasse na personagem da monarca. Ora, ela simplesmente desaparece a meio do filme, e ficamos a contemplar anos de intrigas e assassinatos sem ver cor da ilustre. Apenas quando os birmaneses invadem o Sião em força, é que Suriyothai reaparece na máxima força e toma nas suas mãos as rédeas da situação. Por isso que vos alerto que irão aprender muito mais acerca do período histórico do que acerca da personagem em si. Tenho praticamente a certeza que esta situação estará directamente relacionada com a passagem do filme pela sala de edição. Mas como não tive a oportunidade de comparar a edição que possuo, com a original, o que exteriorizei não passará de uma suposição.

Com uma rodagem que demorou mais de dois anos, precedida de 5 anos de estudos históricos e arqueológicos, de forma a produzir um épico de antologia, “A Lenda de Suriyothai” resultou numa película de inegável interesse, que com certeza será à medida dos fãs dos épicos como eu.

Aconselhável!

"Suriyothai em plena batalha"

Trailer, The Internet Movie Database (IMDb) link

Outras críticas em português: Cinema ao Sol Nascente

Avaliação:

Entretenimento - 7

Interpretação - 7

Argumento - 8

Banda-sonora - 7

Guarda-roupa e adereços - 9

Emotividade - 8

Mérito artístico - 8

Gosto pessoal do "M.A.M." - 7

Classificação final: 7,63








6 comentários:

Nuno disse...

Amigo Jorge,

Já vi o filme há uns bons 3 ou 4 anos e lembro-me de ter gostado. É uma grandiosa produção, à Hollywood, não sei se por ter como Produtor executivo Francis Ford Coppola. Já não me lembrava bem da estória ( a idade não perdoa ) mas relembrei-a ao ler a tua análise. Conheço pouco da história da Tailândia e menos ainda quando era o reino do Sião, mas e Tailândia é-me um país muito querido (já lá estive 5 vezes) como me são queridos os filmes épicos. Este é um épico, é da Tailandia, e uma grande produção, com falhas, bem sei, mas acho um filme que se vê muitíssimo bem. Eu Gostei...

Mais uma fantástica análise. Não me canso de elogiar-te neste aspecto. Parabéns

Shinobi disse...

Amigo Nuno,

No geral, a análise que faço ao filme ao filme é positiva. Os aspectos menos bons estarão relacionados com os cortes sofridos na sala de edição, que afectam essencialmente a personagem de Suriyothai. Eu também sou fã de épicos. Aliás, considero o épico dos meus géneros cinematográficos favoritos :) !
É um filme que se aconselha. Estou é curioso para ver outra grande produção tailandesa, que alguns dizem ser ainda superior a Suriyothai e que se chama "Naresuan". Entretanto já adquiri "Bang Rajan" (tailandês - épico) e "Rang De Basanti" (um dos filmes indianos mais pontuados no IMDb). Pelos vistos, vamos ter um pouco maior de diversidade no "My Asian Movies" nos próximos tempos :), embora o próximo filme a ser alvo de um texto seja japonês.

És um sortudo, já estiveste na Tailândia 5 vezes, e segundo o que vi no hi5, também no Cambodja (posso estar enganado)! Espero um dia passear de braços abertos, para sentir o vento ao máximo, na Grande Muralha da China ;) !

Só tenho a agradecer o apoio essencial que prestas ao elogiar os textos. São essas atitudes que dão imensa força para continuar!

Grande abraço!

Su disse...

shinobi.....eu não tenho o dom da palavra do menino nuno, mas je aqui, leu seu texto atentamente...sabia.?....pois bem fica a saber que tudo o que aqui é escrito é lido pela minha pessoa....

jocas maradas....sempre

Shinobi disse...

Cara Su,

eu sei muito bem disso. Agradeço bastante o apoio e interesse demonstrado!

Beijinho!

H. disse...

Vi este filme há cerca de ano e meio e desconhecia algumas curiosidades que aqui referes, como a ligação de actores à própria Casa Real.
O filme é, como diz o Nuno, uma «grandiosa produção», embora acho que lhe falta a alma de outros filmes monumentais asiáticos...

Shinobi disse...

Olá H.!

Pois de facto este filme tem uma ligação muito forte à casa real tailandesa, assim como "Naresuan" também.
Também concordo que falta um pouco da alma, que outras grandes produções asiáticas possuem, embora o facto de eu ter visionado a versão editada e "americanizada", possa ter contribuído um pouco para o meu julgamento.

Beijinho!