"MY ASIAN MOVIES"マイアジアンムービース - UM BLOGUE MADEIRENSE DEDICADO AO CINEMA ASIÁTICO E AFINS!!!

sábado, outubro 03, 2009

A Moment to Remember/Nae meorisokui jiwoogae - 내 머리속의 지우개 (2004)


Origem: Coreia do Sul

Duração: 120 minutos

Realizador: John H. Lee

Com: Jung Woo-sung, Son Ye-jin, Baek Jong-hak, Lee Sun-jin, Park Sang-gyu, Kim Hye-ryeong, Seon Ji-hyun, Kim Bu-seon



"Kim Su-jin"

Sinopse

“Kim Su-jin” (Son Ye-jin) é uma designer de moda masculina, cuja vida dá um volte-face quando é abandonada por “Yong-min” (Baek Jong-hak), um homem casado com quem a jovem mantinha um relacionamento. Deprimida pelo evento, “Su-jin” dá de caras com um jovem mal encarado numa loja de conveniência, e entra num conflito mudo com o mesmo, pensando que ele lhe tinha furtado uma lata de coca-cola. Certo dia, quando visitava um empreendimento que está a ser construído pelo pai, “Su-jin” encontra novamente o rapaz da loja de conveniência. Intrigada, a rapariga descobre que o mesmo se chama “Chul-so” (Jung Woo-sung) e é um carpinteiro que trabalha na obra. “Su-jin” começa a sentir-se atraída por “Chul-so”, e aproxima-se dele. Uma paixão nasce entre os dois, que leva a que os mesmos se casem.




"Chul-so"

Um romance à partida idílico, sofre um golpe mortal quando “Su-jin” descobre que sofre de uma estirpe rara de “Alzheimer”, que ataca independentemente de a pessoa ser jovem ou idosa. Devido à doença, “Su-jin” tenta se separar de “Chul-so”, mas este apegado ao grande sentimento que nutre pela esposa, recusa-se a ceder. À medida que a maleita evolui, “Su-jin” esquece-se progressivamente de tudo e de todos, inclusive do próprio marido. Cederá um grande amor perante as partidas cruéis da vida?


"Enlace"


Sinopse

Quem está um bocado mais atento aos caminhos percorridos pelo cinema oriental terá, no mínimo, uma vaga noção da predilecção de algumas cinematografias pelo drama que envolve uma doença grave ou terminal e todas as incidências associadas. Seria exaustivo estar a enumerar os vários exemplos ilustrativos daquele verdadeiro subgénero. Apenas cabe-me dizer que, sendo este espaço dedicado ao cinema asiático, era-me praticamente impossível fugir aos filmes que se dedicam ao tema. Já elaborei alguns textos, sobre o assunto e até agora o melhor exemplo que consta no “My Asian Movies” talvez seja “C'est La Vie Mon Cheri”. Na última década do século passado, foi Hong Kong que dominou no que toca às películas que focavam os dissabores provocados por todo o tipo de enfermidades. Com o “boom” do cinema sul-coreano, e a sua natural propensão natural para o melodrama, estava encontrado um campo onde o subgénero poderia deflagrar e vencer. “A Moment to Remember” é talvez o seu expoente máximo, e o sonho de qualquer vendedor de lenços de papel, tal a quantidade de lágrimas que com certeza terá feito derramar um pouco por esse planeta fora.

O cenário para a tragédia é previsível, mas cuidadosamente planeado de forma a partir corações. Um homem e uma mulher com características sociais e pessoais opostas enamoram-se perdidamente. Num cenário muito romântico e incrivelmente lamechas, somos confrontados com o início da relação onde acontecem coisas que só podem mesmo acontecer num filme ou num mundo à parte. É a vertente sul-coreana explorada ao máximo, com situações “fofinhas” que de vez em quando provocam um “oohhhhh” (versão “tão querido”) bem sonoro e que, por mais que apreciemos, devem muito à credibilidade. Tudo corre bem, o amor vence tudo e pouco mais há a dizer. Na segunda parte da película, é que a construção idílica atrás referida, desmorona-se como um castelo de cartas e o filme começa verdadeiramente a demonstrar a sua pujança e, por vezes, sinais de alguma grandiosidade.



"Desespero"

É cruel e demasiado doloroso acompanhar a degradação progressiva da memória de “Su-jin” e os efeitos que a doença tem nela própria e no seu marido. Provavelmente é uma das tragédias que mais me custou a acompanhar num filme,e aqui apercebi-me que esta obra acerta na “mouche” e obtém um dos seus objectivos mais pretendidos. Uma coisa é uma morte ocorrer num melodrama, em que somos atingidos de uma forma seca, embora contundente. Outra completamente diversa, é estarmos hora e meia (mais ou menos o tempo pós-casamento dos protagonistas) a navegar num sofrimento cada vez mais elevado e atroz. “Su-jin” mal se apercebe do que lhe está a acontecer, tenta afastar nobremente “Chul-so” da dor que sabe que lhe irá causar. Contudo, o sentimento que lhe habita o coração é demasiado forte, e ele pensa estar pronto para o que der e vier. O evoluir da doença passa por as memórias mais recentes começarem a desaparecer em primeiro lugar. E isto martiriza “Chul-so” de sobremaneira, pois “Su-jin” revela ter afeição pelo ex-namorado que a abandonou, chegando a chamar “Yong-min” a “Chul-so”, ou mesmo a atacá-lo quando ele se trava de razões com o pseudo-oponente.

Os actores, em especial o casal, fazem um trabalho meritório, embora com alguns exageros certamente requeridos em função das circunstâncias. A actriz Son Ye-jin possui uma beleza e expressões muito inocentes, que a ajudam imenso na representação da doce “Su-jin”. Consegue transparecer a degradação própria a que está sujeita, e aumentar imenso o nosso sentimento de comiseração. Por sua vez, Jung Woo-sung não é muito convincente no seu papel inicial de durão, mas na parte do sofrimento interior, está no seu campo natural. Consegue fazer dos espectadores, os seus aliados compreensivos e apoiantes do esforço e decisão estóicas em se manter ao lado de “Su-jin”.

Se alguém nos perguntar o seguinte: “O que é o mais importante na vida?” (família não é agora para aqui chamada), as respostas variarão de pessoa, mas não fugirão muito de saúde, sucesso, dinheiro, amor, amizade, entre outras. Todas estas coisas são importantes, e a medida apenas variará em função do que cada um de nós espera da sua existência. O que ninguém duvidará é que são as nossas experiências que moldam o nosso carácter e a própria essência do nosso ser. Quando tentamos alcançar os nossos objectivos, por vezes perdemos o rasto aquilo que verdadeiramente é importante para nós. E aqui, só podemos recorrer às nossas lembranças. “A Moment to Remember” dá uma perspectiva bastante forte do quão importante são as nossas recordações, e da injustiça e consequências que podem levar à sua perda, tanto para o próprio como para terceiros. No caso de “Su-jin”, ela não tem escolha, pois depara-se com uma doença insuperável, sendo o combate votado ao fracasso. E o dano colateral principal é um homem que a ama com todas as forças do seu corpo, mas que igualmente se vê impotente em lutar contra o curso da vida. Haverá crueldade maior do que a pessoa que amamos e que retribui o nosso sentimento, esquecer-se por completo da nossa existência e olhar para nós como um desconhecido?! “A Moment to Remember” é para muitos, e com toda a razão, o expoente máximo do melodrama sul-coreano e de todas as suas características próprias que o fazem distinguir das demais cinematografias orientais. Contém os predicados todos de romance e tragédia, que prendem a atenção do espectador e emocionam-no ao máximo. Pelo exposto, se tem um coração e pode compactuar com alguns exageros mais óbvios no tocante ao drama e lamechice, então este filme é imperdível! Quanto a mim, posso bem com estes predicados todos!



"Memories to remember"


Trailer


The Internet Movie Database (IMDb) link

Avaliação:

Entretenimento - 8

Interpretação - 8

Argumento - 7

Banda-sonora - 9

Guarda-roupa e adereços - 7

Emotividade - 10

Mérito artístico - 8

Gosto pessoal do "M.A.M." - 8

Classificação final: 8,13







6 comentários:

Battosai disse...

La vi hace unos meses y, aunque me gustó, se me hizo muy larga y en algunos momentos aburrida. El caso es que lo que vi fue el montaje del director, unos 20 minutos más largo que el normal, y quiero ver la otra versión un día, que creo que me gustará bastante más.

Pásalo bien ^^

Shinobi disse...

Regra geral, gostei muito do filme, passe um ou outro exagero...
Tem momentos verdadeiramente memoráveis!

Abraço!

Miguel disse...

Sou suspeito para falar do filme, já que o considero um dos meus preferidos. Os exageros, imagem de marca do cinema sul-coreano, fazem deste tipo de filmes não apenas dramas, comédias ou filmes de acção, mas uma panóplia de emoções muito característica mas que acaba por funcionar sempre bem, como em Windstruck ou outros que misturam vários géneros com uma intensidade dramática ou cómica capazes de agradar sobremaneira a quem os vê.

Jorge Soares Aka Shinobi disse...

Passe os costumeiros exageros dramáticos, "A Moment to Remember" é um dos melhores dramas sul-coreanos que por aí andam. Muito poderoso!

Abraço!

Dewonny disse...

Já conhecia, mas ainda não assisti!
Vou ver se encontro na rede!
Abs! Diego!

Jorge Soares Aka Shinobi disse...

Para quem gosta do drama sul-coreano, é uma obra obrigatória!

Passe algum exagero normal, é uma excelente exemplar do género!