"MY ASIAN MOVIES"マイアジアンムービース - UM BLOGUE MADEIRENSE DEDICADO AO CINEMA ASIÁTICO E AFINS!!!

quinta-feira, dezembro 11, 2008

Realizador Asiático Preferido - Votação

Apresento-vos mais um realizador asiático, sujeito ao vosso escrutínio no quadro de votações mais abaixo à direita. Não custa relembrar que podem escolher mais do que uma opção, antes de clicarem e submeterem o(s) vosso(s) voto(s). Igualmente podem sugerir outros nomes para serem postos a votação.
Takeshi Kitano

Informação

Filmografia enquanto realizador (caso exista alguma crítica, o título estará assinalado a cor vermelha. Para aceder ao texto , basta clicar):

  1. Violent Cop (1989)
  2. Boiling Point (1990)
  3. A Scene at the Sea (1991)
  4. Sonachine (1993)
  5. Getting Any? (1995)
  6. Kids Return (1996)
  7. Fireworks (1997)
  8. Kikujiro (1999)
  9. Brother (2000)
  10. Dolls (2002)
  11. Takeshi's (2005)
  12. Chacun son cinéma - segmento One Fine Day (2007)
  13. Glory to the Filmmaker! (2007)
  14. Achilles and the Tortoise (2008)


10 comentários:

Miguel Patrício disse...

Takeshi Kitano, enfim.

1.Muito se disse sobre Kitano, mas hoje é óbvio o "recuo crítico" e um certo cepticismo idiota de uma fase tenebrosa da sua carreira inspiradora para pouquíssimos, e que porventura já se vinha adivinhando desde os primeiros planos de um "Violent Cop". Como se o Mundo tivesse apenas a contemplar os feitos passados "yakuza" de um autor que parece ter-se abandonado à auto-referência e à destruição, porque "yakuzas" nunca mais...

2.Kitano não se perdeu nem se traiu. Kitano sempre foi o mestre de cerimónias, autor absoluto, real e subversivo, envolto na sua própria destruição como personagem, como homem. O seu corpo artístico é geométrico na sua coerência, adivinha-se pelo seu cunho. Aqui não se fazem filmes por favor nem ocasião. A sua criação é maximamente tautológica. Kitano faz filmes porque é Kitano.

3.A "poética" kitanesca não morreu com "Hana-bi", nem -alguns mais arriscados diriam- "Dolls". Continuou e continua com "Takeshis'" (e porque, poético por poético, só mesmo "Sonatine" a arrancar o desespero inexpressável da tela melhor), "Glory to the Filmmaker" e posso mesmo dedicar-me ao vaticinio, com "Achilles and the Tortoise". As suas visões não são auto-citadas, são adivinhadas porque de "Violent Cop" até aqui, pouco mudou em termos brutos.

4.Fiel a si mesmo (mesmo o único desastre "Brother" é ainda um Kitano a curvar Hollywood e "Zatoichi" é um Kitano a brincar com a indústria), a poética kitanesca continua a jogar nos seus pressupostos essenciais: recusa do espectáculo, a montagem como pudor institucionalizado, mutismo e autismo como a dormência do mundo. A melancolia é silenciosa, faz-se notar por longos não-se-sabe-o-quê que não se deixam esgotar numa rectórica fácil. Mas também pouco austero, a poética joga-se numa linha-de-sombra de forças equilibradas. A trilogia Yakuza (o fleumatismo de "Violent Cop", o sadismo abrupto de "Boiling Point" e o metafísico em "Sonatine") lançam as bases do poético de "Scene at the Sea" e "Dolls" (pares da mesma moeda) ou do nostálgico em "Kikujiro", até no aparente literal "Kids Return". E "Hana-bi" como conciliador de toda uma obra. Mas há também "Getting Any?" que reforça o "mise en abyme" auto-indulgente, auto-infligidor, auto-tudo da sua trilogia íntima. Porque o autor só persiste reconstruindo-se nesse encaixe completo.

5.Kitano é o Cinema Japonês, hoje.
Pessoal ou não, autista ou coisa nenhuma, o que foi Kitano desde sempre senão ele próprio?

Shinobi disse...

Tenho de confessar que aprecio mais o trabalho de Kitano como actor do que como realizador, não obstante os seus inegáveis méritos artísticos. É uma mente genial, mas um tanto ou quanto tortuosa demais para o meu gosto :) !

Abraço!

Miguel Ângelo disse...

Meu caro amigo, Jorge Soares
Tenho algo para ti, no meu cantinho da blogosfera.
Um abraço e bom fim-de-semana
Miguel Ângelo

Shinobi disse...

Caro Miguel Ângelo,

posso afirmar que estou maravilhado com tamanha gentileza da tua parte, embora tenhas de me perdoar, pois ainda fiquei mais deslumbrado com a maravilha que "postaste" no teu excelente espaço :)))) !

Grande abraço e votos de um fim-de-semana em grande!

Nuno disse...

Amigo Jorge,

Kitano é um dos realizadores em quem voto no teu concurso. Vi toda a sua obra , com excepção dos seus dois mais recentes filmes.
É um dos meus realizadores preferidos do cinema asiático. Por mim, ficaria no Top 10.

...e também o admiro muito como actor.

Um abração

tf10 disse...

Epá que heresia xôr Shinobi!! heheh

Meste Kitano é o último dos monstros sagrados do cinema Japonês! O mais genial autor contemporâneo nipónico! Outra figura que vai muito além de um simples realizador, já que ele é um artista multifacetado! (o que é que mestre Kitas não sabe fazer?!)
Resumindo a sua filmografia eu diria que existem "7 maravilhas" que são absolutamente obrigatórias: Takeshis'; Zatôichi; Dolls; Kikujiro; Hana-bi; Kids Return; Sonatine!
O restante dividia entre o "bom" e um par de filmes "não tão bons" :)

Mesmo não tendo estado ao seu mais alto nivel no seu último "Glory to the Filmmaker!" mal posso esperar pelo último capitulo (Achilles and the Tortoise) da sua introspectiva e tresloucada trilogia que como acontece com todos os seus filmes, está no top dos mais agardados do ano!

Uma vénia a mestre Kitas!


p.s. eu nem quero imaginar o que "Takeshis'" e "Glory to the Filmmaker!" poderão fazer à imagem que tens do Kitano! Medo! eheh ;)

abraço!

Shinobi disse...

Amigo Nuno,

com excepção de um ou de outro,tenho de confessar que não morro de amores pelos seus filmes, e mais sincero não posso ser :) .

Isto não invalide que admire tanto a obra, como o homem.

Grande abraço!

Shinobi disse...

Eh, eh, eh, pois é tf10, mas o que é que se vai fazer. Não me entendo muito bem com a filmografia de Kitano, tenho de confessar...

Chegaste a receber um e-mail que te enviei há dias?

Grande abraço!

LuMa disse...

Olá, Jorge, é um prazer conhecer o seu blog. Sou uma nipo-brasileira, residente em Milão. Mal estou entrando neste blog, e portanto, sou suspeita de dar o meu juízo em relação às obras de Kitano, sem antes ler outros posts seus à respeito. No entanto, - em base a pouco que sei deste autor - me pergunto o que o levou a ser tão premiado. Creio que ele tenha apenas pego uma carona na onda de orientalismo que assola o Ocidente. Sua origem está no Manzai, comédia tradicional japonesa. Eu o conheço tbém nos talk-shows seus, contundentes e polêmicos, politicamente. Mas não creio que ele tenha alcançado o mesmo nível de ironia no cinema qto o era no ambiente "manzai". Em todo o caso, fica aquí um meu juízo bastante superficial, um gancho que usei apenas para lhe dar um alô, e seguir, a partir de hoje, o seu interessante blog! Abraços. LuMa

Shinobi disse...

Olá LuMa!

Antes de tudo tenho a dizer que é igualmente um prazer para mim acolhe-la no meu espaço, e um motivo de satisfaçã ter mais uma pessoa que a partir de agora vai seguir o meu blogue! Espero que o mesmo continue a ser do seu agrado!
No restante, e correndo o risco de ser repetitivo no que escrevi em comentários anteriores, tenho a dizer que efectivamente não sou um grande admirador da obra de Kitano.
É certo que o seu nome é incontornável no domínio da cinematografia asiática, assim como é possuidor de uma imaginação e laivos de genialidade bastante incomuns no dia de hoje.
Julgo que embora o realizador tenha aproveitado a moda do cinema oriental que atingiu o ocidente (embora não tenha sido tão vasta quanto isso, pelo menos em Portugal), as características que acima mencionei também contribuiram para a sua consagração.
Contudo, não os seus devaneios não fazem nada o meu género, confesso :) !

Cumprimentos e volte sempre!